Aliança do prosumidor

O consumo responsável de alimentos saudáveis, produzidos por famílias agrícolas agroecológicas através de uma rede de solidariedade entre consumidores e produtores, é constituído em uma aliança de prosumidores, agricultores e consumidores da cidade.

Confira mais informações sobre esta prática no Almanaque do Futuro: bit.ly/2N7aFqh

Responsável: Agrosolidaria

Contato

Site: http://www.agrosolidaria.org/

E-mails:

Descrição

Bogotá, é a cidade com o maior número número de consumidores na Colômbia, onde o fornecimento de comida está nas mãos de intermediários e cadeias de supermercados, dificilmente acessível para pequenos agricultores. A partir daí surge um dilema, tão característico para a maioria das grandes cidades: famílias consumidoras urbanas querem comprar e consumir alimentos saudáveis e produtos agroecológicos mas não encontram uma oferta adequada ou, quando encontram, os preços estão fora do seu alcance econômico. O outro lado da moeda são os pequeno produtores agroecológicos a quem é quase impossível acessar os consumidores conscientes neste contexto. Dois anos atrás, nove famílias de consumidores de diferentes localidades da capital tomaram a decisão de romper essa lógica, e começaram uma iniciativa de distribuição e comercialização de produtos saudáveis. Desde o início, o pequeno coletivo conformado enquanto Agrosolidaria, invés de garantir uma oferta através de pontos de venda, organizou suas atividades em em torno da demanda, preparando mercados de alimentos produtos ecológicos com entrega à domicílio para consumidores identificados. Para alcançar o consumo responsável, Agrosolidaria parte de um modelo de organização socioeconômica que integra famílias de agricultores e consumidores urbanos, buscando maiores níveis de sustentabilidade social, de justiça relacional e equilíbrio ambiental; é parte de uma economia de solidariedade e comércio justo campo-cidade .A ideia é consolidar os mercados agro-solidários, ligando famílias urbanas e famílias produtoras agroecológicos à rede de distribuição e consumo. Atualmente, existem 50 famílias consumidores e 475 famílias produtoras que participam da rede. As famílias produtoras pertencem a grupos e secções produtores de Agrosolidaria, localizados em parte da periferia da cidade (produtoras de vegetais) ou em outras regiões do país com diferentes faixas climáticas (como produtores de café). Devido ao número reduzido dos consumidores participantes na rede, as famílias produtoras podem comercializar apenas parte de sua produção desta forma, buscando também uma inserção ao mercado tradicional.

Objetivos

Criar uma nova relação sustentável entre produtores e consumidores, alterando a lógica tradicional de produção e consumo levada à cabo pelas grandes empresas.

Público-alvo

Resultados

Existe uma lista de desafios existentes: ainda não foi alcançada a auto-sustentabilidade em termos financeiros, mas com a decisão de entrar no mercado e produção de clientes institucionais de refeições há avanços a este respeito. Existem deficiências em infraestrutura e mobilidade e as condições salariais são desfavoráveis. A Agrosolidaria, a partir da situação atual (impacto relativamente baixo alcançado no mercado devido à baixa consciência de muitos e a necessidade de organização dos produtores) trabalhou visão ousada do futuro, convencida do poder quebrar a lógica atual. O processo de inserção no mercado é pedagógico, desde o consumidor convencional que está acostumado à uma relação unilateral onde “o cliente é rei”. A Agrosolidaria pretende superar esse relacionamento unilateral em relação ao cliente, gerando reciprocidade consumidor-produtor. A pesquisa é responsabilidade do consumidor, priorizando produção e consumo de alimentos saudáveis, distribuição com zero produção de resíduos e com uma ideia ecológica mínima no transporte. Está em preparação o lançamento de uma loja virtual, para facilitar pedidos e alcançar melhor sincronização entre demanda e produção. No início, a Agrosolidaria oferecia 8 produtos ecológicos entre café, quinoa, alface, cogumelos comestíveis e mel. Atualmente, existem mais de 40 produtos, incluindo muitos dos de horticultura orgânica. Por princípio, Agrosolidaria não joga com o preço contra o produtor O que busca é alcançar maior escala de volumes de distribuição para que, desta forma, baixe os preços ao consumidor.

Temas