Fiando com Dignidade

Partindo de uma iniciativa coletiva pelo resgate cultural de um setor produtivo surge no caminho a aposta de construir um desenvolvimento que permita a comercialização de produtos artesanais de qualidade e, acima de tudo, com identidade local e produtiva.

Confira mais informações sobre esta prática no Almanaque do Futuro: bit.ly/2yThQzu

Responsável: Corpolienzo

Local de implementação: Charalá

Contato

Site: http://fusader.org/corpolienzo/

E-mails: lienzodelatierra@yahoo.es

Descrição

Em 1982, na cidade de Charalá na Colômbia, um grupo de pessoas, algumas do mesmo povoado, outras de diferentes regiões, coincidiram seus interesses por resgatar a cultura da região e iniciaram a experiência de um museu, buscando a recuperação e difusão das telas de costura produzida na região. Charalá faz parte da província Guanentina, berço da cultura indígena Guane, conhecida historicamente por sua produção artesanal de tecidos de algodão. A iniciativa partiu da firme convicção que com a recuperação do artesanato se consiga reviver a identidade ancestral de forma a manter o legado desta identidade para as próximas gerações. Este resgate cultural abarcou posteriormente também o tema econômico, formando uma microempresa associativa entre alguns pequenos produtores que cultivam algodão de forma natural e sem químicos, e mulheres fiadoras artesanais e tecelãs. Atualmente 9 entre 10 membros da cooperativa são mulheres. A microempresa, conhecida como Corpolienzo abarca os setores de produção (matéria prima, produção manual, tecido), organização, comercialização, administração e a parte financeira.

Objetivos

Recuperar a produção artesanal de tecidos de algodão, referenciando as técnicas indígenas e criar condições de desenvolvimento econômico corporativo para a população local.

Público-alvo

Mulheres, população local, juventude

Resultados

Se iniciou a promoção da herança geracional da tradição têxtil Guane, conformando grupos de jovens cuidadores do patrimônio. Oficinas sobre a tradição têxtil nas escolas, visitas ao museu, organização de festivais do algodão e da tela, tem permitido que crianças e jovens passem parte de seu tempo livre na Corpolienzo, tecendo seus próprios tecidos. A escola de danças Alma Charaleña produziu uma coreografia alusiva ao processo do algodão, documentada em vídeo. A loja no museu, além de acolher aos visitantes, é um ambiente para produzir as telas e oferece informações sobre a história têxtil da região. A entrega de produtos para venda é realizada prioritariamente em feiras de artesanato e como presentes. A Corpolienzo busca um comércio consciente, responsável e solidário.

Video

Temas