Rede Cooperativa de Mulheres Empreendedoras

Criado em 1997, o programa acolhe empreendimentos de diferentes atividades econômicas, tais como culinária, artesanato, costura, reciclagem, serviços. Por meio de reuniões mensais, realizadas toda última quinta-feira do mês, busca o estímulo ao desenvolvimento de um espaço de troca, articulação e empoderamento, onde se estabeleçam laços de parcerias e intercâmbios com o compartilhamento de informações, formação, assessoria e divulgação, além de possibilitar a organização do trabalho para escoamento da produção de forma partilhada, presentes nas ações de valorização e respeito à diversidade nas questões de gênero, etnia, orientação sexual, origem geográfica, direitos humanos, cidadania e a sustentabilidade como uma prática cotidiana e de responsabilidade individual.

Responsável: Asplande Assessoria & Planejamento para o Desenvolvimento

Local de implementação: Região Metropolitana do Rio de Janeiro (RJ)

Contato

Telefones: (21) 2210-1922 /

Endereço: Rua Álvaro Alvim, 48, sala 806 - Rio de Janeiro (RJ)

Site: http://www.asplande.org.br/

E-mails: asplande@asplande.org.br

Descrição

Com a perspectiva de que as redes apresentam-se como um meio que possibilita a organização dos empreendimentos e cooperativas populares, em 1997, foi criado o Programa Rede Cooperativa de Mulheres Empreendedoras da Região Metropolitana do Rio de Janeiro. Sua finalidade é contribuir para o fortalecimento dos empreendimentos e cooperativas populares formadas especialmente por mulheres em diferentes atividades econômicas, tais como culinária, artesanato, costura, reciclagem e serviços. Atualmente, fazem parte do programa cerca de 700 mulheres de diferentes atividades econômicas e cerca de 25 empreendimentos de produção e serviços – artesanato, costura, culinária, serviços gerais –, constituídos em sua maioria de três a cinco participantes.

Em 2013, foram criados os Núcleos Zona Sul e Zona Norte, espaços de articulação e troca em âmbito local, congregando mulheres moradoras de áreas próximas. Com reuniões mensais, esses têm sido espaços importantes de empoderamento individual e coletivo, construção da autonomia, rede de apoio e enfrentamento ao processo de gentrificação. Isso tudo por meio da atuação conjunta em busca de valorização da identidade, do fortalecimento do consumo local e busca de soluções criativas para problemas diversos, tais como divulgação e escoamento da produção. Ações de educação ambiental foram realizadas com o público prioritário, sendo realizadas palestras, dias de campo, intercâmbios e cursos de capacitação.

Objetivos

Contribuir para o fortalecimento das cooperativas e empreendimentos populares, formados especialmente por mulheres, por meio do universo da economia solidária, com o estímulo ao desenvolvimento econômico e a participação crítica das protagonistas na construção de uma sociedade justa e igualitária.

Público-alvo

Mulheres empreendedoras moradoras de favelas e periferias da região metropolitana do Rio de Janeiro

Resultados

A adoção de um novo modelo de relações de trabalho implica em mudanças imediatas, como a reformulação da divisão de tarefas e gerenciamento de forma participativa, democrática e transparente, mas também a mudanças em outros níveis, que se realizam de forma mais lenta e menos perceptível e, consequentemente, de difícil mensuração a níveis quantitativos, como mudanças relacionadas a quebra de valores, descoberta de novas formas de relações, não só de trabalho, mas também familiar, social e política. Além disso, entre os resultados que já puderam ser mensurados pelo projeto, estão: fortalecimento dos empreendimentos participantes; criação de cursos, feiras e grupos de produção; lançamento do portal “Mulheres em Rede” (em fase de construção), voltado ao ensino a distância, articulação e divulgação dos empreendimentos, com participação e gestão compartilhada das integrantes da Rede.

Video

Temas