Banco de Sementes com Tecnologias de Acesso à Água

A boa convivência com o clima semiárido requer estocar água, sementes e todos os recursos necessários para uma vida digna. Pautadas por esse princípio, a Articulação do Semiárido – ASA e a Fundação Banco do Brasil firmaram uma parceria, em Recife, para implantar 180 bancos comunitários de sementes e 171 cisternas para armazenamento de água da chuva na região do Semiárido Brasileiro.

Nome da entidade ou responsável: Articulação do Semiárido (ASA)


Bolo dos Oliveiras – Padaria Comunitária Solar

Em uma comunidade no interior da Paraíba, mais de 20 mulheres se juntam para gerar renda e emprego e criam uma padaria comunitária sustentável com a utilização da energia solar, biodigestor e reuso da água.

Nome da entidade ou responsável: Associação Comunitária Rural de Várzea Comprida dos Oliveiras


Jovens gerando renda na agricultura familiar

Jovens de comunidades rurais do Baixo Sul e do Vale do Jiquiriçá, na Bahia, recebem assessoria técnica para a construção e socialização de conhecimentos sobre práticas agroecológicas. Com essa intervenção educativa, os jovens puderam qualificar suas produções e elevar suas rendas, promovendo também a soberania alimentar, o fortalecimento da agricultura familiar e a diminuição do êxodo rural nas comunidades locais, além da participação dessa juventude em associações, sindicatos e cooperativas.

Nome da entidade ou responsável: FASE - Federação de Órgãos para Assistência Social


Há algo mais que o mercado

Famílias camponesas da comuna de San Gabriel del Baba através de muitas reuniões e trocas de experiências se convenceram da agroecologia. Atualmente, suas fazendas são totalmente agroecológicas e as pessoas são promotoras da causa agroecológica. Eles alcançaram canais de marketing alternativo, mas ainda dependem de pequenos consumidores conscientes. Mesmo com este problema de mercado, as famílias não mudaram sua convicção. O mercado e a parte econômica não é o mais importante.

Confira mais informações sobre esta prática no Almanaque do Futuro: bit.ly/2KtCB9j

Nome da entidade ou responsável: Fundación Vertiente de Vida


Do lixo à economia colaborativa: uma experiência sem perdedores

Uma iniciativa, lutando contra uma epidemia de cólera e despejos em o meio ambiente, em seus inícios com foco comercial gerenciado no cone leste de Lima é sua transformação em um empreendimento coletivo, com visão para a economia colaborativa gerando benefícios em o meio ambiente, social e econômico Uma história onde ninguém perde.

Confira mais informações sobre esta prática no Almanaque do Futuro: bit.ly/2tCHoM0

Nome da entidade ou responsável: Cepiloma


O mercado é a vizinhança

A produção de uma pequena láctea familiar, resultado de um processo de assentamento, tornou-se a base sólida de uma existência familiar. Após uma fase de experimentação no processamento de leite e na comercialização de derivados, a venda de iogurte na vizinhança foi priorizada. Toda a produção, quando sai da fazenda, praticamente já está vendida, antes mesmo de chegar ao mercado.

Confira mais informações sobre esta prática no Almanaque do Futuro: bit.ly/2Izi5PC

Nome da entidade ou responsável:


Sistema Participativo de Garantia ECO Feira

O sistema de garantia participativa da ECO Fair é um mecanismo de credenciamento alcance participativo de pequenos produtores,
facilitando a venda de produtos alimentos orgânicos, beneficiando a agricultura família e outros atores da economia solidariedade social, bem como o consumidor.

Confira mais informações sobre esta prática no Almanaque do Futuro: bit.ly/2tD9sPr

Nome da entidade ou responsável: Fundación AGRECOL


Aliança do prosumidor

O consumo responsável de alimentos saudáveis, produzidos por famílias agrícolas agroecológicas através de uma rede de solidariedade entre consumidores e produtores, é constituído em uma aliança de prosumidores, agricultores e consumidores da cidade.

Confira mais informações sobre esta prática no Almanaque do Futuro: bit.ly/2N7aFqh

Nome da entidade ou responsável: Agrosolidaria


As minhocas de Mongui

A gestão dos resíduos sólidos orgânicos domésticos através de processos de minhocultura, realizada de forma associativa, oferece soluções com potencial futuro em termos ambientais, sociais e econômicos.

Confira mais informações sobre esta prática no Almanaque do Futuro: bit.ly/2N6meyc

Nome da entidade ou responsável: Lombriduz


Granjas sem resíduos

Existem muitas famílias camponesas que incorporam diferentes técnicas de gerenciamento, convertendo assim o lixo em matéria-prima, otimizando o uso de recursos. A implementação e uso de biodigestores é muitas vezes um passo importante na estrada para a fazenda agroecológica.

Confira mais informações sobre esta prática no Almanaque do Futuro: bit.ly/2Kqy7An

Nome da entidade ou responsável: Asociación Nueva Vida


Produzir com a floresta

A gestão de parcelas com sistemas agroflorestais exige convicção e um contínuo trabalho de cuidados. A situação em que os pioneiros produtores de sistemas agroflorestais amazônicos vivem atualmente demonstra que eles vivem bem, produzindo com a floresta e sem a necessidade de continuar a queimar vegetação. Mas esses casos, caracterizados por uma visão clara da gestão e coexistência sustentáveis, ainda são minoria diante das maiorias, que trabalham com lógicas de curto prazo.

Confira mais informações sobre esta prática no Almanaque do Futuro: bit.ly/2Key8Il

Nome da entidade ou responsável: Instituto para el Hombre, Agricultura y Ecología (IPHAE)


Gestão do território

A expansão indiscriminada da fronteira agrícola para as áreas de páramo coloca em risco o suprimento de água de toda uma população. Diante dessa situação, a comunidade de Chilco teve que mudar sua lógica na gestão territorial, limitando o acesso ao páramo e restaurando os colchões de água. Essa decisão estratégica na gestão de seu território ajudou a consolidar as economias familiares da comunidade.

Confira mais informações sobre esta prática no Almanaque do Futuro: bit.ly/2IySdUe

Nome da entidade ou responsável: Fundación Social Cultural Ibarra