Projeto Rio Limpo, Cidade Saudável

Moradores da comunidade de Coqueiral, em Recife (PE) já enfrentaram sérias consequências advindas da poluição do Rio Tejipió, visto que o rio corta diversos bairros e enchentes são causadas sistematicamente pela falta de saneamento básico na região.

O Projeto Rio Limpo, Cidade Saudável nasce por meio de uma articulação entre igrejas locais, organizações de base comunitária e iniciativa privada pela mobilização social para incidência junto ao poder público, promoção de ações de educação ambiental e outras ações no enfrentamento a este sério problema socioambiental.

Nome da entidade ou responsável: Conselho Interdenominacional de Pastores e Lideres Evangélicos (Cipel)


Mapa de Feiras Orgânicas

O Mapa de Feiras Orgânicas é uma ferramenta de busca, idealizada pelo Idec, com o objetivo de estimular a alimentação saudável em todo o Brasil e mostrar que os produtos orgânicos podem ser mais acessíveis aos consumidores.

Nome da entidade ou responsável: Idec - Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor


Trabalhadoras Informais e Direito à Cidade

Ainda que falar sobre violência doméstica e urbana seja um grande tabu, pois não só muitas mulheres têm vergonha de falar sobre isso, mas também porque socialmente é visto como uma questão que deve ser guardada dentro de 4 paredes, o Centro Gaspar Garcia de Direitos Humanos acredita que é preciso desnaturalizar a violência contra a mulher, denunciando-a como uma grande afronta aos direitos mais básicos da população feminina: o de viver sem ameaça e sem medo. O projeto Trabalhadoras Informais e Direito à Cidade visa fortalecer a autonomia das mulheres que trabalham na economia informal, proporcionando suporte para sua auto-organização e elaborando instrumentos que busquem prevenir e superar a violência contra a mulher. O projeto conta com o apoio da União Europeia e da Christian Aid.

Nome da entidade ou responsável: Centro Gaspar Garcia de Direitos Humanos


Terraço Verde

O Terraço Verde é um movimento que articula produtos e serviços ligados à sustentabilidade urbana, fomenta sua replicação e fortalece a economia verde. Estamos em Curitiba, transformando uma área ociosa em um local para desenvolver tecnologias sustentáveis e educação.

Nome da entidade ou responsável: Terraço Verde


Associação dos Catadores de Papelão e Material Reaproveitável (ASMARE)

A ASMARE vem se consolidando como espaço de inserção ou reinserção da população de rua e catadores no mundo do trabalho. Além das atividades de catação e triagem de recicláveis, a produção artística com o uso desses materiais e a prestação de serviços também fazem parte dessa transformação social.

Nome da entidade ou responsável: Movimento Nacional dos Catadores de Materiais Recicláveis (MNCR)


Cooperativa Kalkbreite

Os suíços consomem muita energia, causadoras do aquecimento global. A mobilidade, o consumo e a habitação são as principais fontes de emissões de gases de efeito estufa de uma família suíça.

A “Kalkbreite” contribui para reduzir as emissões de habitações e mobilidade. É uma casa que contém espaço para morar (apartamentos, áreas compartilhadas) e para empresas (escritórios, infraestrutura compartilhada, como salas de reunião). Ele está combinando estratégias ecológicas e sociais para contribuir para um modelo de vida sustentável dentro de uma sociedade com uma grande pegada de carbono.

Nome da entidade ou responsável: Cooperative Kalkbreite


Projeto Resgate

O Projeto Resgate é direcionado a pessoas em situação de rua a fim de promover a inclusão desse grupo no mercado de trabalho por meio da capacitação em que é oferecido um curso, ao final há a emissão da carteira de trabalho, bem como intermediação de mão de obra, com o devido encaminhamento para entrevista de emprego. Fruto da parceria entre a Secretaria Municipal de Desenvolvimento, Emprego e Inovação (SMDEI) e a Defensoria Pública do Estado do Rio de Janeiro, por intermédio do seu órgão de atuação o Núcleo de Defesa dos Direitos Humanos que já desenvolve um trabalho com as pessoas em situação de rua desde 2004. Assim, ao longo dos anos, a Defensoria Pública vem promovendo parcerias com entidades privadas e governamentais em prol dos interesses desse grupo vulnerável.

Nome da entidade ou responsável: Defensoria Pública


Do lixo à economia colaborativa: uma experiência sem perdedores

Uma iniciativa, lutando contra uma epidemia de cólera e despejos em o meio ambiente, em seus inícios com foco comercial gerenciado no cone leste de Lima é sua transformação em um empreendimento coletivo, com visão para a economia colaborativa gerando benefícios em o meio ambiente, social e econômico Uma história onde ninguém perde.

Confira mais informações sobre esta prática no Almanaque do Futuro: bit.ly/2tCHoM0

Nome da entidade ou responsável: Cepiloma


O mercado é a vizinhança

A produção de uma pequena láctea familiar, resultado de um processo de assentamento, tornou-se a base sólida de uma existência familiar. Após uma fase de experimentação no processamento de leite e na comercialização de derivados, a venda de iogurte na vizinhança foi priorizada. Toda a produção, quando sai da fazenda, praticamente já está vendida, antes mesmo de chegar ao mercado.

Confira mais informações sobre esta prática no Almanaque do Futuro: bit.ly/2Izi5PC

Nome da entidade ou responsável:


As minhocas de Mongui

A gestão dos resíduos sólidos orgânicos domésticos através de processos de minhocultura, realizada de forma associativa, oferece soluções com potencial futuro em termos ambientais, sociais e econômicos.

Confira mais informações sobre esta prática no Almanaque do Futuro: bit.ly/2N6meyc

Nome da entidade ou responsável: Lombriduz


Melhorando meu bairro

Sem Imagem

Um processo de luta de 40 famílias no centro de Lima é coordenado pela Associação Quinta Virgen del Carmen do Quinto Patio para reivindicar seus direitos contra o megaprojeto do trem elétrico como meio de transporte de massa na capital peruana.

Confira mais informações sobre esta prática no Almanaque do Futuro: bit.ly/2yQT5nH

Nome da entidade ou responsável: Asociación Quinta Virgen del Carmen del Quinto Patio


Colinas urbanas: Assentamento Humano Virgen de la Candelaria

Assentamentos humanos como o da Virgen de la Candelaria na periferia de Lima são fenômenos muito frequentes nas grandes cidades. Famílias de recursos escassos buscam um lugar para viver perto das aparentes oportunidades econômicas e educacionais da metrópole. As leis e regras exclusivas tornam a consolidação desses bairros e o progresso de seus habitantes extremamente difícil. Circunstâncias e condições forçam a maioria nas grandes cidades a encontrar uma solução de habitação informal, enfrentando uma lógica perversa de leis que não são feitas para aqueles que foram deixados de lado pelo modelo de desenvolvimento atual. Esta situação termina, muitas vezes em uma situação paradoxal: maioria da população excluída por leis que protegem os interesses do sistema em vez de responder às necessidades da maioria.

Confira mais informações sobre esta prática no Almanaque do Futuro: bit.ly/2KtF54y

Nome da entidade ou responsável: