Central do Cerrado – Comercialização de produtos ecossociais

A Central do Cerrado é uma central de cooperativas sem fins lucrativos estabelecida por 35 organizações comunitárias, de sete estados brasileiros, que desenvolvem atividades produtivas a partir do uso sustentável da biodiversidade do Cerrado. Funciona como uma ponte entre produtores comunitários e consumidores, oferecendo produtos de qualidade como pequi, buriti e mel coletados e processados por agricultores familiares e comunidades tradicionais no Cerrado.

Nome da entidade ou responsável: Central do Cerrado


RedeMoinho – Cooperativa de Comércio Justo e Solidário

A Rede Moinho é uma cooperativa de serviços na área do Comércio Justo e Economia Solidária, tendo nas compras e vendas de produtos da agricultura familiar, agroecológicas e da Economia Solidária sua maior expertise. A cooperativa de consumo nasceu do sonho de se criar uma estrutura de comércio diferente, integrando consumidores e produtores numa relação de confiança, transparência e parceria, valorizando a produção e variedade local.

Nome da entidade ou responsável: RedeMoinho


Movimento Slow Food

O Slow Food é uma associação internacional sem fins lucrativos fundada em 1989 como resposta aos efeitos padronizantes do fast food, ao ritmo frenético da vida atual, ao desaparecimento das tradições culinárias regionais, ao decrescente interesse das pessoas na sua alimentação, na procedência e sabor dos alimentos e em como nossa escolha alimentar pode afetar o mundo. O Slow Food segue o conceito da ecogastronomia, buscando conjugar o prazer e a alimentação com consciência e responsabilidade, reconhecendo as fortes conexões entre o prato e o planeta. O princípio básico do movimento é o direito ao prazer da alimentação, utilizando produtos artesanais de qualidade especial, produzidos de forma que respeite tanto o meio ambiente quanto as pessoas responsáveis pela produção e consumo.

Nome da entidade ou responsável: Fundação Slow Food para Biodiversidade (internacional) e Associação Slow Food (nacional)


Abordagem sistêmica para fortalecimento de cooperativa de catadores

O projeto desenvolvido entre a Cooperal, cooperativa de catadores, e a Giral, uma empresa de consultoria focada na gestão de projetos de relacionamento entre o mundo corporativo e comunidades, esteve fincado em um abordagem sistêmica para fortalecer a cooperativa, reorientando o relacionamento com o principal parceiro da cooperativa: a prefeitura do município de Alumínio, na região de Sorocaba, interior de São Paulo. A mudança do padrão de relacionamento, partindo de uma relação baseada no serviço social para uma atuação junto aos departamentos de serviço e planejamento, foi resultado de um olhar dirigido para todo o sistema local, deixando uma perspectiva que via as cooperadas como objeto de políticas de assistência para valorizar a sua atuação como agentes de um sistema municipal .

Nome da entidade ou responsável: Cooperal (Cooperativa de Reciclagem de Alumínio) e Giral/Viveiro de Projetos


Minha Sampa – Métodos de mobilização e organização

A Rede Minha Sampa reúne moradores da capital paulista que trabalham na construção de uma cidade melhor. Conta com uma equipe de mobilizadores e comunicadores que acompanham atentamente as decisões que estão sendo tomadas pelo Executivo e Legislativo municipais e estaduais. O lema é de que “não existe participação sem informação”; assim, sempre que encontram oportunidades para que as pessoas participem de uma decisão importante, criam mobilizações e convocam a rede para agir. A proposta é influenciar a criação e adequação de políticas públicas, de acordo com o que os paulistanos de fato querem e necessitam, e afirmar a importância da participação social.

Nome da entidade ou responsável: Minha Sampa


Rede Nossa São Paulo

O Movimento Nossa São Paulo foi lançado em maio de 2007 a partir da percepção de que a atividade política no Brasil, as instituições públicas e a democracia estão com a credibilidade abalada perante a população. Constatou-se que era necessário promover iniciativas capazes de recuperar para a sociedade os valores do desenvolvimento sustentável, da ética e da democracia participativa. Em outubro de 2010, o movimento passou a se chamar Rede Nossa São Paulo, com o objetivo de fortalecer a articulação de um amplo campo social para objetivos comuns e, ao mesmo tempo, preservar a manutenção de diferenças para questões específicas, conjunturais, regionais etc, assegurando a ampla liberdade de expressão e manifestação a seus integrantes.

Nome da entidade ou responsável: Instituto São Paulo Sustentável (Secretaria Executiva)


Rede Pintadas

A Rede Pintadas atua coletivamente em prol do desenvolvimento das comunidades de Pintadas e região, na Bahia. Desde sua criação, nos anos 1990, funcionou como um fórum de debate e um espaço de articulação entre várias entidades, sendo formalizada em 2003 como entidade jurídica. Em conjunto com organizações parceiras da região, nacionais e internacionais, vem desenvolvendo projetos de convivência com o semiárido, dos quais se destacam a construção de estruturas hídricas e demais ações de democratização do acesso à água.

Nome da entidade ou responsável: Associação das Entidades de Apoio ao Desenvolvimento Sustentável de Pintadas