Justa Trama – Cadeia Ecológica do Algodão Solidário

A Central Justa Trama é a maior cadeia produtiva no segmento de confecção da economia solidária articulando 600 cooperados/associados em cinco estados: Rio Grande do Sul, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais, Ceará e Rondônia. Este processo que inicia no plantio do algodão agroecológico vai até a comercialização de peças de confecção produzidas com este insumo. Assim, a Justa Trama é uma trama entre vários empreendimentos da economia solidária e justa pela busca incansável de justiça entre nós e com o mundo em todas as relações que construímos, inclusive informando ao consumidor que adquire ou usa os produtos, que tem o orgulho de saber por quem é plantando o algodão, por quem é fiado e tecido e por quem é confeccionado.

Nome da entidade ou responsável: Cooperativa Central Justa Trama (


Bolo dos Oliveiras – Padaria Comunitária Solar

Em uma comunidade no interior da Paraíba, mais de 20 mulheres se juntam para gerar renda e emprego e criam uma padaria comunitária sustentável com a utilização da energia solar, biodigestor e reuso da água.

Nome da entidade ou responsável: Associação Comunitária Rural de Várzea Comprida dos Oliveiras


Orçamento e Direitos

Desde 1991, o INESC elegeu o orçamento público como um instrumento estratégico para a análise e o controle social das políticas públicas. O desafio era dispor de um instrumental que estimulasse e possibilitasse diferentes grupos discutirem boas práticas e desafios na transparência, participação e fiscalização orçamentárias. Aperfeiçoada em 2007 e em 2013, a metodologia vem contribuindo para que os cidadãos aprendam a acompanhar os gastos governamentais nas três esferas – municipal, estadual e federal – e se mobilizem para intervir nas decisões sobre o destino dos recursos públicos.

Nome da entidade ou responsável: INESC - Instituto de Estudos Socioeconômicos


Jovens gerando renda na agricultura familiar

Jovens de comunidades rurais do Baixo Sul e do Vale do Jiquiriçá, na Bahia, recebem assessoria técnica para a construção e socialização de conhecimentos sobre práticas agroecológicas. Com essa intervenção educativa, os jovens puderam qualificar suas produções e elevar suas rendas, promovendo também a soberania alimentar, o fortalecimento da agricultura familiar e a diminuição do êxodo rural nas comunidades locais, além da participação dessa juventude em associações, sindicatos e cooperativas.

Nome da entidade ou responsável: FASE - Federação de Órgãos para Assistência Social


Granjas sem resíduos

Existem muitas famílias camponesas que incorporam diferentes técnicas de gerenciamento, convertendo assim o lixo em matéria-prima, otimizando o uso de recursos. A implementação e uso de biodigestores é muitas vezes um passo importante na estrada para a fazenda agroecológica.

Confira mais informações sobre esta prática no Almanaque do Futuro: bit.ly/2Kqy7An

Nome da entidade ou responsável: Asociación Nueva Vida


A via da concertação

Lideranças de mulheres, surgidas desde organizações sociais comunitárias de El Agustino e outro distritos no setor leste de Lima, compartilham suas experiências no caminho à mudança das relações com as autoridades acerca do desenvolvimento local.

Confira mais informações sobre esta prática no Almanaque do Futuro: bit.ly/2tMqbyZ

Nome da entidade ou responsável: Red de Mujeres Organizadas de Lima Este


Rompendo esquemas, conquistando o acesso

Uma moradia digna é uma necessidade fundamental de todas as pessoas, reconhecidamente consagrado como um Direito Humano. A outra face da moeda é a mercantilização da moradia social ou popular. No Peru, programas estatais de moradia social são dominados por empresas construtoras, impossibilitando a autonomia na construção por parte das famílias. O Banco Comercial, encarregado da colocação do subsídio estatal, acentua o problema, pois os pobres não conseguem se qualificar como grupo destinatário principal desses subsídios. O exemplo do Movimiento de los Sin Techo (MST) de Lima, Peru, rompe esquemas e barreiras, conquistando, através de sua persistência, o acesso à moradia digna.

Confira mais informações sobre esta prática no Almanaque do Futuro: bit.ly/2tHLfGQ

Nome da entidade ou responsável: Movimiento de los Sin Techo


Clínica Ambiental – Projeto de reparação socioambiental

Na região amazônica da fronteira entre Equador e Colômbia, os problemas que atingem a população local não são menores: extrativismo petroleiro, contaminação da natureza, violência social. O sistema Wiphala da Clínica Ambiental é uma mostra fiel de que é factível mudar a realidade a partir de sua própria vida, começando processos e transformações ao seu alcance, sem ignorar ao mesmo tempo problemas de maior calibre.

Confira mais informações sobre esta prática no site do Almanaque do Futuro: https://almanaquedelfuturo.files.wordpress.com/2017/05/almanaque-del-futuro-14-web.pdf

Nome da entidade ou responsável: Acción Ecológica


Pacto das Águas

O Pacto das Águas promove alternativas de geração de renda às comunidades da Amazônia apoiando a estruturação das cadeias de produtos da sociobiodiversidade já utilizados pelas comunidades, assim como de outros potenciais existentes em suas terras. O Pacto desenvolve um projeto de mesmo nome, na região Noroeste de Mato Grosso e Leste de Rondônia, que tem como meta estimular e consolidar estratégias de desenvolvimento pautadas na manutenção da floresta e respeito à cultura das populações tradicionais.

Nome da entidade ou responsável: Pacto das Águas


Brechó Ecosolidário

O Brechó EcoSolidário é um grande encontro autogestionado onde os participantes têm a possibilidade de praticar o consumo sustentável e consciente trocando seus objetos usados por objetos usados de outras pessoas através da moeda social “grão”. Acontece anualmente em conjunto com um mercado de produtos oriundos de cooperativas e diversas atividades de caráter cultural (apresentações de música e dança), formativo (atividades de educação ambiental) e de saúde integral (aulas de yoga, biodança, massagem etc), promovendo assim o encontro direto de produtores e consumidores na construção de um modelo de consumo alternativo.

Nome da entidade ou responsável: Associação Rede de Profissionais Solidários pela Cidadania


Banco Comunitário Palmas

O Banco Comunitário Palmas é uma prática de Socioeconomia Solidária da Comunidade do Conjunto Palmeiras em Fortaleza – Ceará, Brasil. Como Banco Comunitário, é um serviço financeiro solidário organizado em rede, de natureza associativa e comunitária, voltado para a reorganização da economia local para superação da pobreza urbana e rural, promoção do desenvolvimento econômico responsável, criação de projetos de trabalho e geração de renda. A partir das práticas do banco, forma-se uma rede local de prosumatores, isto é, cada morador é simultaneamente produtor, consumidor e ator social de transformação. O Banco Comunitário é de propriedade da comunidade e é gerido pela Associação dos Moradores do Conjunto Palmeira (ASMOCONP), que criou o Instituto Palmas.

Nome da entidade ou responsável: Instituto Banco Palmas


Central do Cerrado – Comercialização de produtos ecossociais

A Central do Cerrado é uma central de cooperativas sem fins lucrativos estabelecida por 35 organizações comunitárias, de sete estados brasileiros, que desenvolvem atividades produtivas a partir do uso sustentável da biodiversidade do Cerrado. Funciona como uma ponte entre produtores comunitários e consumidores, oferecendo produtos de qualidade como pequi, buriti e mel coletados e processados por agricultores familiares e comunidades tradicionais no Cerrado.

Nome da entidade ou responsável: Central do Cerrado