Orçamento e Direitos

Desde 1991, o INESC elegeu o orçamento público como um instrumento estratégico para a análise e o controle social das políticas públicas. O desafio era dispor de um instrumental que estimulasse e possibilitasse diferentes grupos discutirem boas práticas e desafios na transparência, participação e fiscalização orçamentárias. Aperfeiçoada em 2007 e em 2013, a metodologia vem contribuindo para que os cidadãos aprendam a acompanhar os gastos governamentais nas três esferas – municipal, estadual e federal – e se mobilizem para intervir nas decisões sobre o destino dos recursos públicos.

Nome da entidade ou responsável: INESC - Instituto de Estudos Socioeconômicos


Jovens gerando renda na agricultura familiar

Jovens de comunidades rurais do Baixo Sul e do Vale do Jiquiriçá, na Bahia, recebem assessoria técnica para a construção e socialização de conhecimentos sobre práticas agroecológicas. Com essa intervenção educativa, os jovens puderam qualificar suas produções e elevar suas rendas, promovendo também a soberania alimentar, o fortalecimento da agricultura familiar e a diminuição do êxodo rural nas comunidades locais, além da participação dessa juventude em associações, sindicatos e cooperativas.

Nome da entidade ou responsável: FASE - Federação de Órgãos para Assistência Social


O caminho ao território solidário

As províncias de Guanentá, Comunera e Vélez, no departamento sul de Santander, Colômbia, abriram um processo em que o tecido sócio-organizacional de seus habitantes e a economia solidária sob a forma de cooperativas tentaram marcar a história contemporânea desta região, rompendo paradigmas, através de de um sistema econômico financeiro administrado por cooperativas do povo e para o povo e a construção de um território solidário com uma lógica de desenvolvimento que parte do território e da identidade e cultura de seus habitantes. O que começou há cinquenta anos por iniciativa de várias pessoas e apoiado pela cooperação para o desenvolvimento é atualmente sustentado por sua própria dinâmica, com capacidade e projeção no futuro.

Confira mais informações sobre esta prática no Almanaque do Futuro: bit.ly/2KsAYca

Nome da entidade ou responsável: Coomuldesa


Produzir com a floresta

A gestão de parcelas com sistemas agroflorestais exige convicção e um contínuo trabalho de cuidados. A situação em que os pioneiros produtores de sistemas agroflorestais amazônicos vivem atualmente demonstra que eles vivem bem, produzindo com a floresta e sem a necessidade de continuar a queimar vegetação. Mas esses casos, caracterizados por uma visão clara da gestão e coexistência sustentáveis, ainda são minoria diante das maiorias, que trabalham com lógicas de curto prazo.

Confira mais informações sobre esta prática no Almanaque do Futuro: bit.ly/2Key8Il

Nome da entidade ou responsável: Instituto para el Hombre, Agricultura y Ecología (IPHAE)


Prêmio Educação Além do Prato

A Prefeitura de São Paulo, por meio do então Departamento de Alimentação Escolar (DAE) da Secretaria Municipal de Educação, lançou, em maio de 2014, o Prêmio “Educação Além do Prato”, um prêmio para promover a mobilização da comunidade educacional em ações sobre alimentação com a participação efetiva dos alunos e merendeiros.

Nome da entidade ou responsável: Coordenadoria de Alimentação Escolar, Secretaria Municipal de Educação de São Paulo


Pólo da Borborema – Intercâmbio de técnicas entre agricultores do semiárido

O Programa de Desenvolvimento Local do Agreste da Paraíba, gerido pela organização AS-PTA, concentra sua ação em 15 municípios compreendidos pela área de abrangência do Polo Sindical e das Organizações da Agricultura Familiar de Borborema. A estratégia do programa está orientada para o aprimoramento das capacidades técnicas, metodológicas, socio-organizativas e políticas das organizações vinculadas ao Polo para que formulem, defendam e executem um projeto de desenvolvimento rural local baseado nos princípios da sustentabilidade socioambiental agroecológica.

Nome da entidade ou responsável: AS-PTA e Articulação Semiárido Brasileiro (ASA)


Programa Liderar e Projeto Formar – capacitação na Amazônia

O IEB dedica-se a formar e capacitar pessoas, bem como fortalecer organizações nas áreas de manejo dos recursos naturais, gestão ambiental e territorial e outros temas relacionados à sustentabilidade na região da Amazônia brasileira. O IEB atua em rede, busca parcerias e promove situações de interação e intercâmbio entre organizações da sociedade civil, associações comunitárias, instâncias de governo e o setor privado. Como uma organização de ações educativas, incorpora os saberes de parceiros, as diferentes culturas e as técnicas populares.

Nome da entidade ou responsável: Instituto Internacional de Educação do Brasil (IEB)


Resíduo Zero

A Aliança Resíduo Zero promove o debate e a implementação de práticas de Resíduo Zero no Brasil a partir da participação cidadã. A iniciativa tem gerado práticas que transformam a cultura relacionada aos resíduos, ampliam a compreensão das relações entre produção, consumo e valorizam os recursos naturais.

Nome da entidade ou responsável: Aliança Resíduo Zero Brasil (Instituto Pólis, dentre outros parceiros)


Terra Mirim Comunidade Intencional

Comunidade autônoma, sem vínculos formais com instituições religiosas, políticas ou sociais, mantida por seu corpo de voluntários, residentes e não residentes da comunidade, que colaboram doando suas horas de serviço, elaborando e executando projetos, além de promoverem campanhas institucionais. Terramirim busca facilitar o autoconhecimento e o desenvolvimento espiritual, assim como proporcionar uma experiência de vida comunitária a partir da participação nas atividades do dia a dia em contato próximo com a Natureza. A comunidade fundamenta a busca do autoconhecimento nos princípios da Ecologia Integrativa e nos Saberes Xamânicos – saberes dos povos da terra, cultura espiritual milenar da América Nativa – que têm como uma de suas simbologias a terra como Mãe de todos os seres.

Nome da entidade ou responsável: Fundação Terra Mirim


Movimento Slow Food

O Slow Food é uma associação internacional sem fins lucrativos fundada em 1989 como resposta aos efeitos padronizantes do fast food, ao ritmo frenético da vida atual, ao desaparecimento das tradições culinárias regionais, ao decrescente interesse das pessoas na sua alimentação, na procedência e sabor dos alimentos e em como nossa escolha alimentar pode afetar o mundo. O Slow Food segue o conceito da ecogastronomia, buscando conjugar o prazer e a alimentação com consciência e responsabilidade, reconhecendo as fortes conexões entre o prato e o planeta. O princípio básico do movimento é o direito ao prazer da alimentação, utilizando produtos artesanais de qualidade especial, produzidos de forma que respeite tanto o meio ambiente quanto as pessoas responsáveis pela produção e consumo.

Nome da entidade ou responsável: Fundação Slow Food para Biodiversidade (internacional) e Associação Slow Food (nacional)