Minha Sampa – Métodos de mobilização e organização

A Rede Minha Sampa reúne moradores da capital paulista que trabalham na construção de uma cidade melhor. Conta com uma equipe de mobilizadores e comunicadores que acompanham atentamente as decisões que estão sendo tomadas pelo Executivo e Legislativo municipais e estaduais. O lema é de que “não existe participação sem informação”; assim, sempre que encontram oportunidades para que as pessoas participem de uma decisão importante, criam mobilizações e convocam a rede para agir. A proposta é influenciar a criação e adequação de políticas públicas, de acordo com o que os paulistanos de fato querem e necessitam, e afirmar a importância da participação social.

Responsável: Minha Sampa

Local de implementação: São Paulo (SP)

Contato

Telefones: (11) 3530-3807 /

Endereço: Rua Simão Alvares, 784, Casa 1

Site: http://www.minhasampa.org.br

E-mails: contato@minhasampa.org.br 

Descrição

A Rede se baseia nos princípios de apartidarismo, pacifismo, embasamento (informação de qualidade, com fontes e referências adequadas) e respeito aos direitos humanos. As ações de mobilização empreendida pela Minha Sampa vão desde campanhas e petições online a “eventos off-line”, na rua. Por isso, trabalham com jornalistas e organizações parceiras para disseminar informação e disponibilizam ferramentas abertas para que qualquer pessoa possa criar sua própria mobilização, impulsionar campanhas e pressionar políticos por telefone, e-mail, twitter ou facebook. Foram criadas duas ferramentas: o Panela de Pressão, para mobilização, e o Legislando, que ajuda a criar projetos de lei ou colaborar com aqueles em andamento. No âmbito “off-line”, promove encontros na rua, participa de audiências públicas, assembleias, marchas e intervenções urbanas com outros movimentos e articulações, chamando a atenção para os temas em questão.

Objetivos

Construir uma São Paulo mais inclusiva e sustentável com gente mobilizada. Na visão da Rede, a São Paulo que queremos tem mais: verde (praças, parques, árvores e áreas verdes), mobilidade (transporte público de qualidade acessível para todos e alternativas para quem não é motorizado), participação (cidadão com maior poder de voz através da criação de melhores e novos espaços institucionais de participação efetiva), eficácia e transparência (processos de gestão pública mais enxutos, abertos e com menos burocracia, acessíveis a qualquer cidadão), serviços públicos de qualidade e com interação dos cidadãos.

Público-alvo

Cidadãos e cidadãs paulistanos

Resultados

A Rede já possui mais de 63 mil pessoas cadastradas, contribuindo não apenas para divulgar as mobilizações que surgem em seu âmbito, mas se juntando também a articulações já existentes por uma São Paulo mais justa e ecológica. Dentre as “vitórias” do Minha Sampa, encontram-se:

– “Virada Ocupação” – Em uma semana, o Minha Sampa reuniu mais de 2 mil voluntários em apoio aos estudantes da rede pública do Estado que ocuparam as escolas contra a proposta de reorganização escolar. Com nomes de peso como Paulo Miklos, Criolo, Pitty e Maria Gadú, a Virada promoveu dezenas de shows em 10 ocupações da capital paulista, chamando a atenção do Brasil inteiro para a causa dos estudantes;

– “Vagão Rosa NÃO!” – Uma enxurrada de e-mails lotou a caixa de entrada do Governador Geraldo Alckmin pedindo o veto ao Vagão Rosa, projeto de lei que criaria um vagão exclusivo para mulheres nos trens e metrôs paulistas como forma de combater o abuso sexual no transporte público, considerada pela rede como uma medida ineficaz e discriminatória que estaria longe de ser a solução para um problema sério e complexo;

– “De Guarda Pelas Escolas” – Não tolerando mais as ações truculentas da polícia militar contra estudantes que ocupavam mais de 200 escolas estaduais em ato contra a proposta de reorganização, o Minha Sampa lançou a campanha “De Guarda Pelas Escolas”. Mais de 4 mil pessoas se inscreveram para receber alertas sobre tentativas forçadas de desocupação, abusos e ameaças. A ação dos guardiões muitas vezes foi essencial para a proteção dos estudantes;

– “Paulista Aberta” – Mobilização em andamento desde o lançamento da Minha Sampa, teve como objetivo a abertura da Paulista aos domingos para pedestres. Em Outubro de 2015, após diversas audiências públicas e consultas a outros órgãos, a Prefeitura decidiu favoravelmente ao projeto. Agora, milhares de pessoas utilizam a Avenida Paulista para lazer todos os domingos;

– “Transporte SP” – Nossa mobilização demandava mais prazo para a etapa de consulta pública do edital que reformulava todo o sistema de transporte público de SP (inicialmente, eram 30 dias para ler 5 mil páginas). A pressão por telefone e por e-mail sobre o Prefeito Haddad funcionou e nós, cidadãos, ganhamos mais tempo para contribuir com o projeto;

– “Nada de Lei do Cabide” – Em momento de grave crise econômica e ajuste fiscal, a Câmara aprovou a contratação de 660 novos assessores. A Minha Sampa enviou um pedido ao Ministério Público para que investigasse a legalidade dessa Lei. Após milhares de pessoas pressionarem, a Justiça, por liminar, barrou a Lei do Cabide.

Video

https://www.youtube.com/watch?v=TgcLkko_9sk

Temas