Resíduo Zero

A Aliança Resíduo Zero promove o debate e a implementação de práticas de Resíduo Zero no Brasil a partir da participação cidadã. A iniciativa tem gerado práticas que transformam a cultura relacionada aos resíduos, ampliam a compreensão das relações entre produção, consumo e valorizam os recursos naturais.

Responsável: Aliança Resíduo Zero Brasil (Instituto Pólis, dentre outros parceiros)

Local de implementação: São Paulo (SP)

Contato

Telefones: (11) 2174-6800 / 2174-6830 (Instituto Pólis) /

Endereço: R. Araújo, 124 - República - São Paulo (Instituto Pólis)

Site: http://residuozero.org.br/ http://polis.org.br/ http://www.no-burn.org/

E-mails: contato@polis.org.br

Descrição

Para que a prática do Resíduo Zero seja concebida e implementada de forma coerente, são necessários programas, projetos e campanhas educativas. Por isso, a Aliança Resíduo Zero atua em várias e distintas frentes:

1) A implementação da Política Nacional de Resíduos Sólidos (Lei 12.305/10)
Tendo como referência a concepção de Reciclagem Popular elaborada pelo Movimento Nacional dos Catadores de Recicláveis (MNCR), e integrando educação, meio ambiente, tecnologia, inclusão e comunicação social, esta frente pretende acelerar a implementação da PNRS, instituindo a coleta seletiva domiciliar em três categorias de resíduos e garantindo o tratamento diferenciado para cada categoria: reciclagem industrial dos materiais recicláveis/secos, compostagem e biodigestão dos resíduos orgânicos e disposição final de rejeitos em aterros sanitários, preferencialmente consorciados.

2) A criação de uma Política de Produção Durável e Reciclagem Garantida
Esta frente busca instituir mecanismos para a mudança de padrão de produção, promovendo uma transição para a situação ambientalmente mais adequada – não gerar resíduos – com base em um amplo programa de informação para o consumo mais sustentável e responsável, incluindo a difusão do conceito de simplicidade e de contribuição/cooperação voluntária.

3) Reciclagem popular
Um projeto produtivo que visa a distribuição da riqueza, do poder e dos conhecimentos gerados a partir dos resíduos. O principal objetivo é combater a desigualdade nesta cadeia, fazendo com que as organizações autogestionárias ocupem todos os elos do ciclo produtivo, desde a coleta até a industrialização do material reciclável, garantindo a gestão integrada dos resíduos. Esse objetivo é coerente com a defesa do meio ambiente e a economia dos recursos naturais, garantindo a gestão compartilhada do resíduos, na qual todos os agentes da cadeia, incluindo fabricantes até as industrias autogestionárias recicladoras, façam seu papel de garantir prioritariamente a defesa do meio ambiente e a economia dos recursos naturais.

4) Ampliar, fortalecer iniciativas e consolidar políticas públicas em favor da compostagem para tratamento de organização e redução das emissões GEE
A compostagem é um processo biológico de valorização da matéria orgânica e é uma das alternativas sustentáveis de aproveitamento das sobras de alimentos ou resíduos orgânicos, uma forma de reduzir o desperdício de matéria orgânica e nutrientes, de resgatar o ciclo natural dos nutrientes (macro e micro) e reinseri-los no solo.

A Aliança atua também se articulando a outras iniciativas nacionais e internacionais, como a Global Alliance for Incinerator Alternatives – GAIA. Na perspectiva da Aliança, GAIA é um apoio estratégico para alimentar as redes, continentais e nacionais, com informações sobre as lutas e vitórias no mundo voltadas ao aproveitamento integral dos resíduos via reciclagem, compostagem e/ou biodigestão e também pela produção de bens com perfil sustentável. A chancela de GAIA nas ações nacionais contribui para trazer a dimensão de atuação local-global, que potencializa a força das redes junto a novos atores.

Portanto, a Aliança Resíduo Zero Brasil – ARZB, como integrante da Aliança Internacional Resíduo Zero, promove também o debate e a divulgação de experiências voltadas à não destinação de resíduos para queima, e tampouco para aterramento, no âmbito internacional.

Objetivos

Promover o debate e a implementação de práticas de Resíduo Zero no Brasil e alternativas à incineração ou aterramento a partir da participação cidadã, geração de renda e emprego, assim como políticas públicas de coleta seletiva com inclusão dos catadores e catadoras. O conceito Resíduo Zero pretende, assim, empreender uma mudança de cultura baseada em uma melhor compreensão dos processos de geração e tratamento dos resíduos, combinada com práticas efetivas que transformam as relações de produção e consumo.

Público-alvo

Público em geral

Resultados

Um dos resultados das ações da ARZB foi a criação da Comunidade Resíduo Zero, uma rede digital de construção de conhecimento que tem como objetivo o fortalecimento e a implementação de experiências de resíduos zero no Brasil. Para tanto, lança mão de ferramentas virtuais da chamada WEB 2.0 com conteúdo multimídia para colaborativamente produzir, acumular e compartilhar o conhecimento e promover a aprendizagem cooperativa e colaborativa.

Outro resultado indireto mas importante da luta pelo resíduo sólido é o Programa Composta São Paulo, que selecionou 2 mil domicílios de diversos perfis da cidade para receber uma composteira doméstica e participar de oficinas de compostagem e plantio. Além de fazer parte de uma comunidade online de troca de conhecimento e experiências, os participantes irão ajudar a gerar informações e aprendizados que serão utilizados para impulsionar e fomentar a elaboração de uma política pública que estimule a prática da compostagem doméstica em São Paulo.

Video

https://youtu.be/8cKuAa6vCkQ

Temas