Hortas urbanas – no caminho para construir a comunidade

A moradia digna é um direito reconhecido a todos mas negado a muitas famílias, que vivem em condições de habitação precárias, sem acesso a serviços básicos cujas justas exigências são invisibilizadas. Esta dura realidade levou um grupo de vizinhos de Cochabamba, Bolívia, a sonhar com a possibilidade de um espaço de vida em comunidade. A Organização de Inquilinos e Inquilinas de Cochabamba (OINCO) enfrenta uma dura luta, devido à comercialização e especulação da terra urbana, passando pela tarefa de fazer distintos esforços para construir uma comunidade e moradias comunitárias. Um desses esforços permitiu o acesso a uma terra em comodato, que permite aos membros do OINCO produzirem alimentos saudáveis, organizando a Escola Popular de Agroecologia, como parte de sua filosofia de aprender e ensinar a gerenciar o solo.

Confira mais informações sobre esta prática no Almanaque do Futuro: bit.ly/2yMqX4S

Nome da entidade ou responsável: Organización de Inquilinas y Inquilinos de Cochabamba (OINCO)


Frutos da Agrofloresta

O Projeto Frutos da Agrofloresta, patrocinado pela Petrobras por meio do Programa Petrobras Socioambiental, apoiou famílias agricultoras em comunidades quilombolas e assentamentos de reforma agrária para a geração de renda através do processamento e comercialização da produção agroflorestal.

Nome da entidade ou responsável: Cooperafloresta


Construção Participativa da Lei Municipal – Alimentos Orgânicos na Escola

A construção participativa da Lei Municipal 16.140/2015 de São Paulo que dispõe sobre “a obrigatoriedade de inclusão de alimentos orgânicos ou de base agroecológica na alimentação escolar no Sistema Municipal de Ensino de São Paulo” e de seu Decreto de Regulamentação 56.913/2016, envolveu a sociedade civil, o poder executivo, com a participação da Secretaria de Educação, Secretaria do Verde e do Meio Ambiente, da Secretaria da Saúde e da Secretaria de Desenvolvimento, Trabalho e Empreendedorismo, o poder legislativo municipal e também contou com o apoio do governo federal, através do Ministério do Desenvolvimento Agrário (MDA).

Nome da entidade ou responsável: Coordenadoria de Alimentação Escolar (CODAE), Secretaria Municipal da Educação de São Paulo


Prêmio Educação Além do Prato

A Prefeitura de São Paulo, por meio do então Departamento de Alimentação Escolar (DAE) da Secretaria Municipal de Educação, lançou, em maio de 2014, o Prêmio “Educação Além do Prato”, um prêmio para promover a mobilização da comunidade educacional em ações sobre alimentação com a participação efetiva dos alunos e merendeiros.

Nome da entidade ou responsável: Coordenadoria de Alimentação Escolar, Secretaria Municipal de Educação de São Paulo


Armazém do Campo

O Armazém do Campo – Produtos da Terra é uma iniciativa de comercialização do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra que visa atender a demanda por alimentos saudáveis da população dos grandes centros urbanos a preços justos e acessíveis.

Nome da entidade ou responsável: Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra - MST / Coordenador responsável: Rodrigo Teles


Produção Ecológica de Alimentos Diversos

Agricultoras e agricultores de pequeno porte realizam a produção ecológica e orgânica de diversos alimentos.

Nome da entidade ou responsável: Centro de Tecnologias Alternativas Populares - CETAP


Resíduo Zero

A Aliança Resíduo Zero promove o debate e a implementação de práticas de Resíduo Zero no Brasil a partir da participação cidadã. A iniciativa tem gerado práticas que transformam a cultura relacionada aos resíduos, ampliam a compreensão das relações entre produção, consumo e valorizam os recursos naturais.

Nome da entidade ou responsável: Aliança Resíduo Zero Brasil (Instituto Pólis, dentre outros parceiros)


Central do Cerrado – Comercialização de produtos ecossociais

A Central do Cerrado é uma central de cooperativas sem fins lucrativos estabelecida por 35 organizações comunitárias, de sete estados brasileiros, que desenvolvem atividades produtivas a partir do uso sustentável da biodiversidade do Cerrado. Funciona como uma ponte entre produtores comunitários e consumidores, oferecendo produtos de qualidade como pequi, buriti e mel coletados e processados por agricultores familiares e comunidades tradicionais no Cerrado.

Nome da entidade ou responsável: Central do Cerrado


Movimento Slow Food

O Slow Food é uma associação internacional sem fins lucrativos fundada em 1989 como resposta aos efeitos padronizantes do fast food, ao ritmo frenético da vida atual, ao desaparecimento das tradições culinárias regionais, ao decrescente interesse das pessoas na sua alimentação, na procedência e sabor dos alimentos e em como nossa escolha alimentar pode afetar o mundo. O Slow Food segue o conceito da ecogastronomia, buscando conjugar o prazer e a alimentação com consciência e responsabilidade, reconhecendo as fortes conexões entre o prato e o planeta. O princípio básico do movimento é o direito ao prazer da alimentação, utilizando produtos artesanais de qualidade especial, produzidos de forma que respeite tanto o meio ambiente quanto as pessoas responsáveis pela produção e consumo.

Nome da entidade ou responsável: Fundação Slow Food para Biodiversidade (internacional) e Associação Slow Food (nacional)


Projeto Kaaeté – Plantas Alimentícias Não Convencionais (PANCS)

Conhecidas como PANCS, as plantas alimentícias não convencionais são facilmente encontradas na natureza e podem trazer a biodiversidade de volta ao prato dos brasileiros. Abrangem desde plantas nativas e pouco usuais até exóticas ou silvestres com uso alimentício direto (na forma de fruto ou verdura) e indireto (amido, fécula ou óleo). Em geral, não fazem parte do cardápio diário da maior parte das pessoas e não costumam ser encontradas em mercados convencionais. Elas não são transgênicas e, na maior parte dos casos, são orgânicas. A Plataforma Colaborativa sobre plantas alimentícias não convencionais incentiva o resgate do hábito de comer esses alimentos, como uma estratégia para o combate a fome e diversificar a alimentação.

Nome da entidade ou responsável: Projeto Ka’a-eté