Redelivre

A #redelivre é uma junção de tecnologias sociais e digitais construídas por diversos agentes de forma colaborativa. Trata-se da transposição do conceito de mutirão para a dinâmica distribuída das redes. A proposta é somar práticas, padrões técnicos, protocolos e tecnologias com foco em demandas sociais de modo a incluir novos colaboradores e reinventar-se constantemente. Em contraposição à lógica da competição, estimula-se o diálogo entre iniciativas que têm a liberdade como valor comum e fortalecem a federação de redes.

Engloba ferramentas de comunicação, mapeamento, gerenciamento de contatos, mobilização, doação e participação online. Mas nada disso funciona e nem faz sentido sem o envolvimento de pessoas, o que pressupõe a realização de trocas e vivências presenciais nas quais o intercâmbio de saberes e o empoderamento das tecnologias são estimulados. Esses momentos facilitam a inclusão de novos atores, o exercício da atuação em rede e a conexão de diversas redes entre si.

Nome da entidade ou responsável: Coletivo Soylocoporti


O caminho ao território solidário

As províncias de Guanentá, Comunera e Vélez, no departamento sul de Santander, Colômbia, abriram um processo em que o tecido sócio-organizacional de seus habitantes e a economia solidária sob a forma de cooperativas tentaram marcar a história contemporânea desta região, rompendo paradigmas, através de de um sistema econômico financeiro administrado por cooperativas do povo e para o povo e a construção de um território solidário com uma lógica de desenvolvimento que parte do território e da identidade e cultura de seus habitantes. O que começou há cinquenta anos por iniciativa de várias pessoas e apoiado pela cooperação para o desenvolvimento é atualmente sustentado por sua própria dinâmica, com capacidade e projeção no futuro.

Confira mais informações sobre esta prática no Almanaque do Futuro: bit.ly/2KsAYca

Nome da entidade ou responsável: Coomuldesa


Microcine: gestor de cultura e agenda nos territórios

A Rede de Microcines do Grupo Chaski, nascida no calor dos esforços de cineastas com visão social, se constituiu como uma rota alternativa para a exibição de um cinema que entretém, emociona e faz pensar, facilitando a difusão popular de conteúdos para uma comunicação verdadeira. Os “micro-cinemas”, situados em 9 regiões do Peru, pouco a pouco vão convertendo-se em associações culturais locais que produzem cinema comunitário e formam cronistas e gestores, (re)construíndo identidade cultural a partir da realidade social de seu território.

Confira mais informações sobre esta prática no Almanaque do Futuro: bit.ly/2MyG0kT

Nome da entidade ou responsável: Grupo Chaski


mARTadero

O que começou com a recuperação do ex-matadouro municipal de Cochabamba, convertendo um lugar de morte em um centro de vida cultural, na atualidade resultou em uma experiência referência para a cultura e o desenvolvimento. Cultura não como distração, mas como elemento contextualizante e onde a inteligência criativa e trabalho colaborativo abrem caminho para “o futuro que queremos”, construindo narrativas próprias e se livrando das amarras do pensamento adquirido.

Confira mais informações sobre esta prática no Almanaque do Futuro: bit.ly/2KeTmWG

Nome da entidade ou responsável: Nodo Asociativo para el Desarrollo de las Artes (NADA)


Radiotube

O Radiotube é um site colaborativo feito por e para comunicadores e todos aqueles que se interessam por esse meio de comunicação. Um espaço virtual para que as produções radiofônicas de todo o país possam ser disponibilizadas na rede e utilizadas pelo Brasil afora. Uma rede social para o compartilhamento de áudios, textos e vídeos, com temas ligados à cidadania.

Nome da entidade ou responsável: Criar Brasil


Portal do Consumo Responsável e Aplicativo Responsa

O Portal do Consumo Responsável junto com o aplicativo Responsa permitem encontrar lugares para a prática do consumo responsável, como restaurantes que usam ingredientes orgânicos, feiras de produtos justos e orgânicos, hortas comunitárias, grupos de consumo responsável e outras experiências de agroecologia e economia solidária.

Nome da entidade ou responsável: Instituto Kairós


Juventude Camponesa Protagonista da Comunicação

Jovens camponeses têm trabalhado com a proposta do audiovisual como ferramenta de construção identitária e de sistematização de experiências, resgate de cultura e luta por direitos. Nesse contexto, curtas-metragens estão sendo produzidos pela própria juventude que tem abordado temas de resgate cultural, leitura crítica da mídia hegemônica, valorização das sementes animais e vegetais, além de sua conservação e, por fim, a luta por direitos conquistados.

Nome da entidade ou responsável: PATAC - Programa de Aplicação de Tecnologia Apropriada às Comunidades